Diferenciação, um importante aliado do casal saudável.

Por Francine Bulsing – Psicóloga Clínica CRP 07/19321 – Especialista em Terapia de Casal e Família

Dia dos namorados chegando e com essa data, cabe uma reflexão sobre o nosso processo de diferenciação familiar e o quanto reagimos nas relações conjugais. A partir dos estudos de Murray Bowen, um importante psiquiatra e psicanalista, apresento-lhes um pouco a respeito da contribuição dos seus estudos sobre o processo de diferenciação.

A família é o primeiro grupo social em que o sujeito tem a oportunidade de aprender experiências como afeto, apoio, estímulo, respeito, frustrações, alegrias, tristezas, perdas, ganhos… Dentre tantas outras vivências que são cruciais e carregam consigo importantes contribuições na nossa personalidade. Cada pessoa leva consigo o seu estilo de apego e reage de acordo com sua diferenciação ou indiferenciação familiar.

Se há dificuldade para se diferenciar da família de origem, há dificuldade nas relações, no raciocínio e na autonomia, podendo ser escravo das suas emoções. Já o sujeito diferenciado da família de origem, consegue avaliar as situações de modo mais racional, sem se deixar levar impulsivamente pelas emoções, além de conseguir separar o que é seu e o que é do outro e com isso, respeitando as diferenças interpessoais.

Diante disso, podemos dizer que cada pessoa possui níveis de diferenciação e que tais níveis “aparecem” na forma como o sujeito reage nas suas relações, especialmente nas relações conjugais, que é a fusão de duas famílias e a transformação de um novo núcleo familiar. É de extrema importância que o casal consiga ajustar sua comunicação de modo a não depositar todas as expectativas da relação no outro, e que cada um saiba da sua contribuição individual nessa relação.

Mas independente do nível de diferenciação de cada indivíduo, é importante destacar que qualquer pessoa possui capacidade para melhorar seu nível de diferenciação e a melhor maneira de fazer isso, é aprimorando a comunicação, reavaliando a história de sua família de origem, mas principalmente, estar disposto a olhar para si e assumir a responsabilidade dos seus problemas, buscando soluções possíveis para um relacionamento saudável. Neste sentido, a psicoterapia, tanto individual, casal ou familiar é uma importante aliada na busca do autoconhecimento e da regulação emocional.

Então, conseguiste identificar seu nível de diferenciação? Sinta-se convidado a olhar para dentro de si e seja bem vindo(a) à psicoterapia!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *