E quando amar se torna um problema?

Por Francisco Crauss, psicólogo da Crauss Psicologia Cognitiva.

É fato que todos nós já sentimos aquele frio na barriga ao pensar em alguém, e por vezes, sofremos por isso, principalmente quando não temos nossas expectativas correspondidas. Alguns chamariam de paixão aquele sentimento intenso que nos faz perder o controle e nos torna seres totalmente emocionais, “enxergando corações” por todos os lados, dispostos a tudo por aquela pessoa.

Algumas pesquisas referem que a paixão dura em torno de 4 meses. Já o filosofo Platão considerava este sentimento como uma grave doença mental. Embora uma sensação um tanto controversa, estar apaixonado pode ser problemático para algumas pessoas. Que atire a primeira pedra quem nunca “enlouqueceu” de amor, mas quando isso se torna mais intenso e duradouro, pode ser a causa de outros problemas.

Viver para a pessoa amada, desejá-la a todo momento e fazer de tudo sem importar o que os outros pensam, pode ser muito bonito em músicas românticas, mas na realidade não é bem assim. Esse controle excessivo pode mascarar uma forte sensação de insegurança e de baixa autoestima. Quando tentamos controlar a pessoa, fazemos todo o possível por ela, nada mais fazemos do que usar uma estratégia comportamental para evitar que ela nos abandone. Essa sensação de abandono iminente ou a idealização de que é somente aquela pessoa que pode suprir as minhas necessidades pode estar por trás daquele frio na barriga da paixão. Estas sensações são naturais e até saudáveis no início de um relacionamento, mas quando se tornam muito intensas, se transformam em ciúmes, controle e, as vezes, até em agressão. É ótimo se apaixonar, parece que flutuamos e sentir “dor de amor” é completamente natural.

Porém, quando não fazemos nada com relação a essa dor, ela pode transformar nossos relacionamentos em relações patológicas. Perceba se as suas relações afetivas são positivas ou se seu jeito de amar te faz sofrer. Não deixe que algo tão lindo quanto o amor se torne um tormento na sua vida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *